Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine

Milho na cerveja?

Por: Fred Banionis

11/04/2018
Milho na cerveja?

Photo by Michal Janek on Unsplash

Quanto mais as cervejas especiais ganham notoriedade, mais aparecem pessoas ditas entendidas no assunto. O problema é que boa parte da informação difundida não é de todo verdadeira e começa aquela famosa guerra entre cerveja especial e cerveja de massa onde o principal argumento dos desinformados é: Minha cerveja é puro malte, sua cerveja é feita de milho.


É sabido que quase a totalidade das cervejas de massa utiliza milho ou arroz em sua composição, mas o que não se divulga é o porque disso e nem o fator histórico. O uso de cereais não maltados é comum por exemplo, em estilos como Witbier onde temos a adição de aveia e trigo não maltados como uma forma de ganhar corpo e turbidez. Já o milho e o arroz são usados com o propósito contrário, deixar a cerveja mais leve e cristalina.
Estilos como Pale Lager, Dark Lager, Cream Ale, as variedades do clássico estilo inglês Bitter e até a histórica cerveja Gose fazem uso de arroz ou milho para isso e todos podemos concordar que são estilos nobres e de alta qualidade, certo?


O marco histórico do uso de cereais não maltados acontece a partir de 1933 após a lei seca dos Estados Unidos ser revogada, onde o governo autoriza o consumo de bebidas alcoólicas porém com limitação de teor alcoólico, liberando cervejas e vinhos com até 3,2% ABV. As cervejarias que sobreviveram então à lei seca resolvem criar o que ficou conhecido como American Light Lager, um estilo de corpo leve, refrescante, bem carbonatada e de baixo teor alcoólico. O baixo valor do arroz e do milho tornaram possível, além dessas
características, retomarem o mercado vendendo cervejas com valores acessíveis e ainda assim mantendo um bom lucro.


A confusão começa quando o estilo American Light Lager se difunde no Brasil por conta das grandes marcas que passam a adotá-lo utilizando o nome de Pilsen e modificam suas receitas de forma a torná-las o mais baratas possíveis, elevando a quantidade de grãos não maltados ao extremo que a lei permite e diminuindo a quantidade de lúpulo, tornando a cerveja sonsa, quase sem sabor, mas em compensação, aumentando significativamente seu lucro com elas. Vale lembrar que a lenda da cerveja “estupidamente gelada” tem ligação direta com essas modificações causadas ao estilo, pois com temperaturas muito baixas, nossas papilas gustativas se contraem tornando difícil sentir qualquer sabor. A bagunça continua quando a polêmica da “cerveja de milho” surge e essas mesmas companhias apelam para produtos ditos puro malte. Porém nada mais fazem do que utilizar as mesmas receitas insípidas, completamente sem lúpulo, trocando apenas o milho por malte, simplesmente para atrair os desinformados.


Mas por favor, não sejamos carrascos, o intuito aqui é justamente acabar com a desinformação. Então não é porque alguma cervejaria artesanal foi comprada por um grande grupo que irão alterar as receitas de forma a baratear os custos assim. Sejamos complacentes e vamos lembrar que há outras formas de tornar uma cerveja mais lucrativa, como a produção em maior escala, por exemplo.


Então lembrem-se, puro malte não é necessariamente sinônimo de qualidade, cerveja com milho não é ruim. Vamos todos abrir nossas mentes e também uma garrafa de cerveja!



Fred Banionis
Fred Banionis
Mais artigos deste autor

Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #02
artigos

Bia Amorim

Bia Amorim

Os links mais acessados da Farofa Magazine em 2018

Bia Amorim

Bia Amorim

CERVEJA & PUDIM, HARMONIA MAIS BRASILEIRA IMPOSSÍVEL  

Bia Amorim

Bia Amorim

MEU PUDIM NO PJCP

Bia Amorim

Bia Amorim

Não venha trabalhar no mercado cervejeiro

Bia Amorim

Bia Amorim

Eu não tomo cerveja no copo certo

Bia Amorim

Bia Amorim

Brigando com nossos gostos cervejeiros

saiba antes, saiba mais: