Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine

CERVEJA & PUDIM, HARMONIA MAIS BRASILEIRA IMPOSSÍVEL  

Por: Bia Amorim

08/01/2019
CERVEJA & PUDIM, HARMONIA MAIS BRASILEIRA IMPOSSÍVEL  

Entre o fim de 2018 e o começo de 2019 falei muito de pudim, falei de cerveja também, mas falei de pudim em diferentes formas de textos, mas quase sempre com tom divertido, assim como o açúcar nos faz sentir. Mas não estava comendo pudim, só escrevendo sobre ele e pensando no dia que a minha rotina e a memória se lembrariam juntos dessa vontade. Depois de semanas tocando no assunto, me organizei e comprei os ovos, mais frescos, já que o leite condensado é algo que perdura sem preocupações com a validade, no armário escuro.

A cerveja eu já tinha. Comprei no meio de dezembro, quando fui a trabalho para São Paulo e encontrei pelas prateleiras de lá, depois que vi uma foto no Instagram das cervejeiras confeiteiras Daiane Colla e Fe Meybom. Já sabia que um dia esse encontro poderia acontecer, estava realmente arranjando o enlace, o namoro, a execução. Precisava só de tempo para produzir tudo isso.

A questão é que o brasileiro ama cerveja e ama pudim como dois itens separados em seu cardápio de tradições. O fato é que podemos, com algumas particularidades, unir os dois. Não é de qualquer cerveja que estamos falando e também não é de qualquer pudim. Até porque minha experiência foi muito limitada para argumentar de forma a generalizar essa combinação.

Depois de fazer um pudim bem clássico, mas apenas de leite condensado, leite e ovos, esperei o tempo certo de geladeira e enfim estava pronta a sobremesa. Fui a geladeira e abri a lata Smoked Puddin Porter, uma receita colaborativa entre as cervejarias Maniba e Dádiva. Tentei ser ao menos na primeira garfada/golada, técnica. Minimamente prestei a atenção do que aconteceu na minha boca, como foi a reação as papilas.

Cheguei à conclusão de que a combinação é fantástica, mas não para misturar tudo na boca e fazer um terceiro produto. A cada colherada que eu dava, me abastecia de massa e calda e aquele doce explosivo caramelo na boca. Só depois é que eu bebia a cerveja. As notas defumadas se entrelaçavam com o que que tinha ficado na língua. O tostado do malte fazia a vez da calda, o álcool aquecia e derretia mais um pouco o prazer e a carbonatação e amargor ajudavam eu delirar pela próxima colherada.

Foi assim, em pequenas mordidas e goles que me satisfez esse namoro. Ficou a sensação de dever cumprido, de nostalgia vivida no meu mundo atual. O doce que já foi tão infantil para mim ganhou corpo e companhia. Não que eu vá fazer sempre. As vezes o pudim só ele mesmo, ou a Porter por si só, são fantásticos, mas uma vez por ano a gente se deslumbrar, sair do sonho, também é delicioso.

Assim termino meus artigos de pudim pelo menos para este começo de ano. Vou voltar a estudar as diversidades e escrever sobre a gastronomia que eu vivo, além das caldas de caramelo. Quer ler o que eu já escrevi? Tem texto AQUI, AQUI e AQUI (um texto sobre confeitaria brasileira, que o Lucas Corazza escreveu.



Bia Amorim
Bia Amorim
Mais artigos deste autor

Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #3

saiba antes, saiba mais:

artigos

Marcelo Whately

Marcelo Whately

Existe a carne perfeita?

Gabriel Castaldini

Gabriel Castaldini

Saindo uma porção de McFritas com tumbérgia

Taís Suhre

Taís Suhre

Quebrando os padrões

Sabrina Cyrillo Medella

Sabrina Cyrillo Medella

Tudo que não te contaram sobre os Base-Planta!

Marcia Daskal

Marcia Daskal

Comer melhor em 2020

Bia Amorim

Bia Amorim

Quando meu marido me pede uma cerveja