Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine

Como é ser mulher no mercado cervejeiro

Por: Bia Amorim

25/06/2018
Como é ser mulher no mercado cervejeiro

Foto: Gerry Juwono via Unsplash

Essa deve ter sido a frase mais perguntada nos últimos anos de mercado cervejeiro para mulheres que chegavam ao setor artesanal. “Como é trabalhar em um mercado tão masculino? ”

Muito políticas, falamos sobre os desafios. Contamos a história das deusas do passado, da mudança social com a Industrialização. Das receitas caseiras de nossas avós, a técnica aliada a culinária e biografia. Abusos que pareciam comuns em outras épocas, vitórias com menos propaganda com o corpo feminino. A vontade de que tudo isso um dia seja só conto em revista.

Mas ninguém pergunta como é SER mulher no mercado cervejeiro. Pensei então em muitas frases que uma mulher cervejeira poderia falar ou até em conversas e pensamentos secretos, que nos diferenciam do trabalho dos homens na cerveja.

 “Aborrecida nível Gueuze.”

“Visivelmente um pint de Stout parece o buraco negro que me meti com as contas do cartão. Mas MUST aquele par de Samuel Adams lindo, outfit de sala de brasagem. ”

“Tão na TPM que estou tomando até cerveja com aroma artificial de chocolate. ”

“Fiquei menstruada, coloquei o absorvente interno e fui brassar. ”

“O exame de gravidez acusou que mesmo as Sessions um dia terão que esperar. ”

“A primeira cerveja depois que seu filho vai dormir é realmente relaxante. ”

“Essa louça pode esperar minha IPA acabar. ”

“Gato, pega uma cerveja na geladeira, porfa.”

“Não comprovei que as Malzbier ajudam no leite das crianças”

“Escola Cervejeira Alemã é o próximo tema para a confra, vamos citar  Hildegard von Bingen e sua história com o lúpulo e escritas sobre o orgasmo!”

“De calcinha e sutiã, sem aro de preferência, assim como sem pasteurizar minha cerveja. ”

“Estamos nos unindo para falar sobre as leveduras e os processos de fermentação que passamos internamente e metaforicamente sobre o machismo no setor. ”

“Vamos metabolizar sobre isso....”

“Inveja daquele vestido com SRM 20,3 que a fulana tava no Festival BJCPSPBR. ”

“Pudim com furinho ou sem furinho para a Dubbel?”

“Nível de irritação 120 IBU´s e não duvide que consiga subir esse sarrafo!”

Responder com: Luta. Cotidiano. Ensinamento. Enfrentamento. Pode parecer demasiadamente chato.



Bia Amorim
Bia Amorim
Mais artigos deste autor

Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #02
artigos

Bia Amorim

Bia Amorim

O choro é livre

Bia Amorim

Bia Amorim

Sommelière em sonho

Bia Amorim

Bia Amorim

Quanto custa beber uma cerveja artesanal?

Fran Micheli

Fran Micheli

10 por cento

saiba antes, saiba mais: