Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine

O Brasil é um bolo de fubapho todo dia

Por: Bia Amorim

30/07/2019
O Brasil é um bolo de fubapho todo dia

Elijah O´Donnel  via Unsplash

Nem amanheceu e os jornais já estão à espera da próxima mordida. Tudo o que se fala hoje em dia é sobre a política. Veja bem, não há como fugir. O café continua sendo passado, o pão ainda está no forno, o suco no espremedor, assim como a gente, vivendo espremidos naturalmente entre desastres. Só xs laranjas salvam.

O bolo de hoje é de fubá, fubaphos políticos regados a calda de goiaba. Eu quero escrever sobre outras coisas, mas tudo o que eu penso são em críticas gastronômicas. Já falei sobre o filé mignon, as folhas amargas da vida e para conseguir debater eu penso em me defender é de garfo e faca. Como é que podemos dentro da nossa cultura, melhorar o país em momentos como este?

Queria falar do purê de batatas péssimo que comi outro dia em um suposto restaurante italiano que cobra caro. A salada no cardápio descrevia rúcula e no prato só tinham alfaces. Lava Jato no cardápio mentiroso. E tanto faz lavar rápido ou lavar devagar, a verdura tá contaminada. Assim como a política.

O próximo texto é sobre o merengue veneno. O mundo é pequeno para tantas toxinas no morango. Queria contar que agosto começa a safra. Mas esqueço que por aqui tem tudo o ano todo. Doce mentira, formato de coração, pele vermelha e brilhante, pequenas unidades de sementes com cara de quem vai saltar a sobremesa, assaltar sobre à mesa. O sabor não chega nem perto de uma fruta rara nos solos brasileiros de hoje em dia. A fruta dos solos sem venenos. Não vamos mais comer frutas? A indústria não deixa?

Queria mesmo ser uma abelha. Ia viver pouco, mas sem essas decepções. Viver em grupo, polinizar o mundo e buscar os locais mais incríveis para ajudar. A gente tá aqui reclamando com grandes braços e cérebros. A natureza só observa o que estamos fazendo e na hora da conta não vai ter a desculpa, “foi ele”.

Colherada grande de feijão para aguentar com ferro o jornal do dia seguinte. Ninguém quer discutir o milho ou qual sensação a carbonatação causa no seu paladar. Mas no final das contas o afago do bolo é necessário. O açúcar dá energia para enfrentar, mais uma notícia do distrito federal. Não no meu café, que prefiro amargo como as manhãs brasileiras.



Bia Amorim
Bia Amorim
Mais artigos deste autor

Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #02
artigos

Fran Micheli

Fran Micheli

Meu primeiro restaurante

Bia Amorim

Bia Amorim

O Brasil é um bolo de fubapho todo dia

Bia Amorim

Bia Amorim

Vegetais & veganos, a turma das verduras do bem

Bia Amorim

Bia Amorim

O choro é livre

saiba antes, saiba mais: