Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine

O gabinete do ódio cervejeiro

Por: Bia Amorim

15/08/2020
O gabinete do ódio cervejeiro

Foto: Matt Artz (Unsplash)

Cerveja é festa, cerveja é democracia. Consuma local! A cultura cervejeira busca expressar os sabores de um povo, mostrando a todos o feliz brinde do mercado artesanal, com união e amor.

Balela.

Temos um objetivo, mas estamos longe de cumprir. Até quando o mercado cervejeiro artesanal, no âmbito profissional, vai continuar aceitando que estejamos o tempo inteiro nos sabotando? Faz 10 anos que estou transitando pelo mercado, e eu vejo que passamos por muitas coisas, muitos desafios e vencemos. Mas falta tanto. E não estou só falando das questões óbvias de impostos, logística, tecnologia e infraestrutura a resolver. A questão aqui é outro tipo de estrutura. A da moral e da ética.

Uma frase que eu sempre usei em treinamentos é a seguinte:

“Chamamos de ética o conjunto de coisas que as pessoas fazem quando todos estão olhando. O conjunto de coisas que as pessoas fazem quando ninguém está olhando chamamos de caráter.” Oscar Wilde

O resumo da ópera é que existe um grupo fechado de cervejeiros que desde janeiro de 2015 usufruem da internet, terra sem lei, para se divertirem. E fazem isso como se estivessem no tempo dos romanos, em saraus regados com álcool; e com uma maturidade de quinta série. Aqueles que se destacam nas mídias sociais nichada do ramo artesanal, são alvos fáceis para montagens, piadas preconceituosas e racistas. Se for mulher, se for minoria então, dói ainda mais nos testículos sensíveis do gabinete do ódio.

O Brasil é terra de ninguém? Até quando vamos permitir que a moral do mercado seja abalada por figuras como essas?

Eu como consumidora preciso saber sobre os valores dos produtos que eu consumo, não apenas na sua qualidade. Precisamos refletir sobre o poder que governa nossas escolhas. Um produto bom, mas que foi fabricado por alguém que despreza os seres humanos, é realmente um bom produto?

Se gosto não se discute, se o mercado é laico, se a moral é necessária, a ética precisa se fazer presente em 100% do tempo. E se não sabemos como fazer isso, chegou o momento de olhar com clareza para essa dor que o mercado sente.

Estamos afundados em decepção. 2020 é um luto atrás do outro.



Bia Amorim
Bia Amorim
Mais artigos deste autor

Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #3

saiba antes, saiba mais:

artigos

Bia Amorim

Bia Amorim

Não adianta chorar o deleite derramado

Bia Amorim

Bia Amorim

Pequenas azedices

Bia Amorim

Bia Amorim

O gabinete do ódio cervejeiro

Marcio Beck

Marcio Beck

A cerveja pertence a todos

Bia Amorim

Bia Amorim

A sommelière que habita em mim

Bia Amorim

Bia Amorim

O Bar virtual em tempos de corona