Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine

Pequenas azedices

Por: Bia Amorim

23/08/2020
Pequenas azedices

A experiência de algo azedo é peculiar. Quando “atingidos” pela acidez usamos praticamente todos os músculos do rosto e até puxamos o ombro para perto em uma careta, como se recolhendo para dentro; um exercício tanto quanto filosófico. Mas a acidez que banha de saliva minha boca é possivelmente uma falta de equilíbrio do PH e a reação natural do corpo quando sente a presença deste elemento. Bom, talvez eu não tenha avisado meu cérebro sobre essa nova visita e ele não se preparou para tal.

A acidez é efêmera. Rápida, como um flash. Quando se demora é como uma pessoa chata que incomoda. Quando ela vem como uma estrela cadente, é uma obra de arte inusitada, que nos move, me tira do lugar comum, me envaidece, me excita o paladar.  

Pequenas doses de acidez combinadas com trigo e cevada e aveia e frutas e lactose e baunilha, podem ser milhares de coisas. Uma sobremesa como uma torta cheesecake deve ter quase todos esses elementos. Mas essa combinação é fácil demais. O pensamento deste prato, tão americano, está em nossas mentes gourmetizadas, mas quem resiste?

Ao longo dos últimos séculos, entender sobre as combinações de sabores é uma busca constante do ser humano. Depois que descobriu o prazer conectado à memória e construção de camadas e camadas de deliciosos gostos aliados a inebriantes aromas, as possibilidades são muitas.

No mercado cervejeiro gastronômico, surgem cervejas com acidez controlada, atenta e vívida, misturadas as frutas de quintal e de memória. Uma pitada de trigo aqui, uma medida leve de álcool acolá e pronto! Uma cerveja refrescante, mas que não precisa ser tomada muito gelada. Uma sensação “gélida”, mas que não vem da temperatura. Chamamos de refrescância.

A acidez em uma receita é o vinagre da salada, muitas vezes você coloca uma gota tão pequena que nem sente, mas o equilíbrio em relação ao sal e o azeite está lá. Ou então usa um balsâmico, trazendo profundidade de sabor e um toque inusitado e mais presente.

Careta no primeiro gole é quase sempre um fator obrigatório? Não; pequenas azedices podem estar apenas ali, coexistindo com os outros elementos protagonistas. Mas fazer careta é bom, vamos também enrugar a testa e comemorar a salivação.

Entender como pode ser complexo, descer ponto a ponto na basicidade aquosa. Básico só no número. Existem muitas técnicas para domar uma sensação tão potente, a batalha do equilíbrio não dá trégua.

Eu salivo só de pensar em uma cerveja com essas características. Comemoro cada rótulo lançado e me divirto pensando sobre as harmonizações, por cortes e até por complemento. Se você também salivou com o texto, abra uma cerveja com essas características e observe atentamente como sua boca/cérebro lida com esse primeiro impacto de quando chega a acidez. Um exercício divertido para o seu paladar.

* Esta crônica nasceu de uma foto no stories de uma amiga sommelière, a Paty Saka. Ela organizou as cervejas mais ácidas em uma foto e as mais amargas na outra. Comentei por inbox “pequenices azedices” e corri aqui porque salivei com o tema. Além do mais é aniversário dela hoje, que deve comemorar em grande estilo, e merece muito.heart

  • Este texto abre uma série de crônicas e artigos que vou escrever todos os meses para a Startup Brewing e fazem parte do meu trabalho de comunicação com a marca. Na foto de abertura, a cerveja Acid Rain da marca UX Brew (Startup Brewing), uma American Fruted Sour, com adição de polpa de maça verde. Uma mistura inusitada.



Bia Amorim
Bia Amorim
Mais artigos deste autor

Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #3

saiba antes, saiba mais:

artigos

Bia Amorim

Bia Amorim

Não adianta chorar o deleite derramado

Bia Amorim

Bia Amorim

Pequenas azedices

Bia Amorim

Bia Amorim

O gabinete do ódio cervejeiro

Marcio Beck

Marcio Beck

A cerveja pertence a todos

Bia Amorim

Bia Amorim

A sommelière que habita em mim

Bia Amorim

Bia Amorim

O Bar virtual em tempos de corona