Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine

Quanto custa beber uma cerveja artesanal?

Por: Bia Amorim

09/07/2019
Quanto custa beber uma cerveja artesanal?

foto: Josh Duncan via Unsplash 

O mercado de cerveja artesanal parece dar passos largos. Com mil fábricas no país, os jornais estão sempre falando sobre as novidades e lançamentos que não param. Muita gente já sabe o que é uma cerveja IPA, já entendeu que o lúpulo não é um vilão e que tudo bem se gostar de tomar cervejas mais turvas e refrescantes com acidez, além de não precisar congelar uma cerveja para sentir o frescor. Tudo é uma questão de escolha por ocasião e gosto, paladar próprio.

E o mar não tem mais só peixe grande. Esse mercado nos últimos 15 anos ganhou pequenas empresas produzindo com qualidade o mesmo tipo de bebida, cerveja. A nomenclatura usada para definir essas pequenas fábricas, foi a de ARTESANAL, que tem por volta de 2% do mercado atualmente, segundo a Abracerva (Associação Brasileira de Cerveja Artesanal). As cervejarias que já ganharam corpo (tanques e volume) e hoje produzem como indústrias maiores ou foram compradas por grupos de fora, chamam esse segmento de CRAFT. As cervejas PREMIUM são aquelas bem conhecidas como marca e tem 12% do mercado (mas é preciso observar o rótulo, pois nem todas são cervejas puro malte), essa categoria se dá por valor na prateleira/geladeira e não na qualidade dos ingredientes. O mercado de cervejas comuns, o que chamamos de mainstream, em 2011 tinha 87% do mercado total, segundo a Mintel.

Mas, qual a diferença? Por que umas garrafas custam tão mais caras do que outras? Para entender direitinho, o jornalista Daniel Navarro escreveu sobre isso com detalhes, nesta reportagem AQUI na Farofa. Uma das matérias mais acessadas do ano.

Segundo o site Insider, as cervejas mais caras do mundo são aquelas em que o método de preparo, ingredientes e como são feitas é quem dita seu preço. Em geral são garrafas exclusivas e mais consideradas obras de arte do que somente uma bebida. Colecionadores fazem leilões e fila para conseguir o privilégio de ter uma em casa.

ANOMALY via Unsplash

Um bom exemplo do extremo é a da cervejaria Toppling Goliath Brewing Company que faz a cerveja Kentucky Brunch Brand Stout, uma raridade  (referências AQUI E AQUI). Do tipo que tem de ir até a porta da fábrica para tentar conquistar uma garrafa. Isso mesmo, apenas 1 unidade por cliente. Uma cerveja escura e com notas de chocolate, maple syrup, uísque bourbon e café espresso. Caro pode ser chegar em Iowa, nos Estados Unidos, mas mesmo lá cada garrafa pode ser adquirida por cerca de U$1.000,00 a U$ 2.000,00 dependendo da safra. O equivalente hoje a mais de sete mil reais, a garrafa mais cara.

No Brasil, a garrafa da cerveja Deus faz sucesso ano após ano. Com lote de 15.000 garrafas/ano, essa beleza belga em garrafa de Champagne, conta uma história tão rica quanto seu preço. Vai para França fazer o mesmo processo do espumante que tem o nome de sua região. No Brasil, os preços têm uma variação de R$200,00 a R$300,00 reais por garrafa de 750 ml. Na linha do status "mostrar a riqueza", a cerveja Golden Queen chegou as prateleiras com preço bastante similar da cerveja Deus. O diferencial é que contém folhas de ouro flutuando na garrafa transparente. Um luxo que eu prefiro não ter.

O contraste de preço é imenso. Como pode uma lata de cerveja custar R$ 2,50 e uma garrafa custar mil vezes mais? Ou o inverso, já que as latas estão dominando! 

Tudo depende de como você faz isso. As cervejarias grandes produzem com custo muito menor do que você pode fazer cerveja na sua casa. Assim como as redes de fast-food fazem lanches, batatas e o refrigerante muito mais barato do que aquela hamburgueria descoladinha que abriu perto da sua casa.

Tem uma questão importante, você toma cerveja com o Governo. No conjunto das coisas, a maior % do seu dinheiro é para pagar os impostos. Essa amizade é longa e pesa muito mais para um lado do que para outros. Inclusive os valores mudam de estado para estado e por isso é tão difícil para os pequenos se espalharem por aí. Então o "custo Brasil" na cerveja é o maior e mais caro ingrediente. Pelo menos até agora.

Reza Heydar via Unsplash

Daí você vai as compras. No supermercado, na padaria, no posto de gasolina, no empório, no bar, no restaurante, na tap house, no boteco, no brewpub, no show, na festinha. Lá está a cerveja artesanal. Fazendo você salivar com uma sour. Os aromas cítricos daquele lúpulo Cascade. A potência daquela Porter com notas de chocolate e madeira. E aqueles R$25,00 por garrafa.

Você fez as contas rapidamente e entende que poderia comprar 10 latas. Não tem uma matemática difícil, falando na equação financeira. A média da cerveja artesanal hoje em dia no país, é de cerca de R$ 18,00 por garrafa e R$15,00 por litro de chope. A questão é que o valor do sabor e do equilíbrio e da novidade para seu paladar é outro. Não dá para sempre colocar na balança e por isso temos que pensar no famoso “custo x benefício”.

A ocasião é quem vai fazer você decidir se toma 1 ou se toma 10. E a cerveja artesanal tem uma proposta de entregar mais do que apenas um liquido super gelado e de sabor muito leve. E é isso que custa na cerveja também. Apesar das dificuldades, muitas cervejarias tem conseguido baixar gradativamente os preços. Com o mercado encorpando, as fábricas mais antigas estão se adaptando, melhorando tecnologia e evoluindo as receitas, que podem chegar hoje a R$8,00 ou R$12,00 um long neck de Session Ipa, por exemplo. 

Beber cerveja artesanal em uma saída no final de semana pode custar de R$40,00 com alguns poucos copos de chope, mais os aperitivos e mais o táxi para ir para casa ;) . Em casa, é o local onde você vai beber a cerveja mais barata. Pois o resfriamento, a louça e o serviço estão sob sua responsabilidade. Atendimento diferenciado também tem seu preço. Procure os locais perto de casa, a chaminé da fábrica mais perto da sua vista.

Você tem essa disponibilidade, busca por isso? Os recursos financeiros estão sempre colocando nossas vontades e necessidades à prova. Muitas vezes é mais interessante ficar com seu copo de Stout, potente e intensa, do que vários de algo muito leve e que você nem gosta tanto do sabor. Mas cabe a você decidir quanto pode gastar com relação a quanto vai consumir. Vejo que é um grande amadurecimento mudar o comportamento para dar valor ao paladar.



Bia Amorim
Bia Amorim
Mais artigos deste autor

Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #02
artigos

Fran Micheli

Fran Micheli

Meu primeiro restaurante

Bia Amorim

Bia Amorim

O Brasil é um bolo de fubapho todo dia

Bia Amorim

Bia Amorim

Vegetais & veganos, a turma das verduras do bem

Bia Amorim

Bia Amorim

O choro é livre

saiba antes, saiba mais: