As melhores dicas para se beber cerveja

As melhores dicas para se beber cerveja

- em Artigos, Beber
290

Ser sommelier é para mim traduzir sabores. Fazer com que as pessoas compreendam a cerveja, para que ao beber, seja lá pelo motivo que for, elas fiquem felizes.

Para escrever esse texto eu abri uma cerveja. Já seria um momento de alegria, abrir uma cerveja. Mas então eu pensei no copo, na temperatura, no sabor, tantas emoções…. É isso que uma bebedora profissional faz. É meu trabalho pensar na melhor experiência, na excelência. Olhando de longe e com miopia, parecia fácil. Foram apenas alguns segundos.

Pois bem, você veio pelas dicas e a promessa que eu te fiz ali em cima no título. Mas é que eu sou daquelas que acredita que se você chegou tão longe, até aqui nesse texto, você gosta mesmo de cerveja. Gosta desses detalhes, quer fazer igual aí no seu copo? Beber profissa?

– Cerveja e temperatura são fundamentais. E claro que aqui no Brasil a gente adora uma cerveja gelada. Eu também! Mas façamos pelo menos a seguinte reflexão. Vai mudar a sensação da bebida. É fato. Muito congelada desequilibra. Perde as nuances sabe? Mas nem é para ficar quente, os extremos são ruins. Tem para cada estilo, uma indicação média. Eu deixo pelo menos umas 3 horas na geladeira, uma lata de 473ml, para chegar a uma temperatura bacana. Os estilos mais leves querem mesmo um frescor. Já as cervejas com 8% a 10% de teor alcoólico, as vezes até mais, com rolha, deixo na adega junto com vinhos, a cerca de 14ºC. E as mais ainda potentes, as vezes moram em um canto escuro do armário e ganham uns 30 minutos a 1 hora de geladeira antes de abrir.

E sendo bem simples e sincera, quanto mais alcóolica e mais gelada, mais você foge daquele lugar lá no alto da montanha-russa da potência que se pode ter sensorial. Por isso que eu sempre comemoro o clima frio do inverno e sou hiper clichê com a minha RIS. A natureza e o clima fazem parte dessa reflexão.

– Cerveja e copo precisam de um match? Se for olhar no detalhe, no duro, poderia ficar aqui discorrendo sobre inúmeras questões do material, dimensões, design, corte fino, bocal mais aberto, mais fechado, com bojo, com borda, cristal, vidro, acrílico, plástico ou “direto no bico”.

O tamanho também não importa, sem saber qual é o contexto. Já se perguntou o por que dos copos de trigo serem tão grandes e parecem troféus? Nossa, senta que lá vem a história. Mas, vamos ser objetivos? Lava bem. Uma gotinha de sabão neutro. Uma esponja macia e sem outros usos. Água quente ajuda muito. Sem resíduos. Já é um help grandão para não estragar a espuma, outros odores e afins. Medalha de bronze para um copo limpo.

Não quer dizer que o acrílico não seja bom, quais são as possibilidades? Não quero ser a chata, mas não vou mentir que um cristal torna a coisa toda mais glamurosa. Torna sim. Taça, fina, phyna, pode pegar no pé

Você também pode gostar

Cervejas sem glúten na rede Mestre-Cervejeiro.com

A cerveja sempre uniu as pessoas em momentos