Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine
página inicial » Editorial »

5 vinhos para o final de ano, um planejamento de festa perfeita

04/12/2019

por: Bia Amorim
5 vinhos para o final de ano, um planejamento de festa perfeita
Tristan Gassert @imtilt via Unsplash

"O que mais gosto no mundo dos vinhos é a variedade e tomar estilos diversos" comenta Eugenio Basile, enófilo e apreciador da cultura e sabores dos vinhos do mundo. Ele deu dica de 5 rótulos diferentes de vinhos para uma festa inesquecível.

Chega final de ano, os preparativos para as festas começam a acontecer. Alguns vão preparar a ceia, outros escolher a louça, alguém tem que escolher o vinho!

Na rotina do empresário Eugênio Basile o vinho é um amigo do cotidiano. Antigo consultor de empresas, ele agora dedica seu tempo a cuidar das abelhas e dos sabores que os meles nativos nos trazem, pela Mbee, empresa especialista em mel. Apreciador da boa gastronomia, conhece vinhos como se fosse um sommelier, além de ser ótimo na cozinha. Perguntamos quais seriam os vinhos que ele gostaria de servir em uma reunião com família e amigos, para um evento inesquecível neste final de ano.

Eugenio e Marcia Masile, da Mbee, bons de taça. Foto: Arquivo pessoal.

  1. “Um espumante brazuca, brute nature, que estão cada dia melhores e com mais personalidade. Lírica Crua vai sempre estar entre meus preferidos. ” Eugenio cita o espumante da Vinícola Hermann, que fica localizado na Serra Gaúcha. O local tem clima excelente e solo ideal para a plantação de uvas para espumantes finos. A composição de castas é de 80% Chardonnay, 10% Gouveio, 10% Pinot Noir. O espumante ainda tem prêmios na bagagem. O valor médio é de R$83,00, bastante interessante para eventos com muitos amigxs, família e canapés!

Lírica Crua, da vinícola brasileira Hermann . Imagem: Divulgação.

E um Champagne de alta gama para comemorar um lindo ano? A empresa de meles cresceu, muitas caixinhas de abelhas nativas foram distribuídas, muitos restaurantes entendendo o papel não só do mel, mas de toda a cadeia que isso transforma e Eugênio ganhando o prêmio de Artesão da Gastronomia, no ano de 2019 da revista Prazeres da Mesa. Marcia já tinha sido indicada e o trabalho do casal vem revolucionando a forma de usar o mel.

  1. Dom Pérignon, dá até batedeira no peito só de pensar nisto. ” Sem pestanejar diz o enófilo. E para quem não conhece a iguaria, é produzido pela casa francesa Moët et Chandon. A alcunha vem do monge beneditino Dom Pérignon. Ninguém menos que o responsável por desenvolver o método de vinificação da bebida chamado "método champenoise".  É o primeiro  cuvée ("safrado") que já existiu e data de 1921. È produzido com uma seleção das melhores uvas da colheita. A média de custo de uma garrafa é próxima a mil reais, mas o site da Wine, tem uma safra de 1975 que está a venda por quase dez mil.

  1. O melhor entre os grandes vinhos brancos? “Um Montrachet Premier Cru, não vou de Grand Cru pq não tenho orçamento e o Premier já é um vinho inesquecível. Olivier Leflaive está entre meus produtores preferidos. ” Com uvas 100% Chardonnay, essa raridade deve ser encontrada apenas com especialistas, na mala de uma gentil pessoa ou adega de sorte. No 1er Cru são 13 opções de micro lotes de terroirs diferentes na região da Borgonha e cada uma com uma safra diferente à disposição. Tem um buquê complexo e muitas vezes notas que lembram mel de Acácia. Os valores estimados ficam perto de R$ 1.500,00, mas cada garrafa tem sua importância.

  1. “Vinhos elegantes e leves precisam estar na festa de fim de ano. Um bom Echezeaux está no meu planejamento”. Com uvas 100% Pinot Noir, esses vinhos são cultuados, as garrafas que chegam da região de Borgonha são mais do que apenas uma bebida. Uvas tintas mas com uma complexidade leve, na potência desejada. A safra de 2011 parece ser uma boa escolha e há diversos produtores que chegam ao Brasil via importadoras (aqui e aqui). Os valores vão de R$ 1.200,00 a R$ 5.000,00 facilmente.

@lomig via Unsplash

  1. E para terminar a seleção? “ O rei dos vinhos, um Bordeaux com pelo menos 15 anos de idade. Qualquer bom produtor, da margem direita ou esquerda, das safras 2000 ou 2005.” Você reconhece os nomes Château Mouton Rothschild, Lafite Rothschild, Latour, Margaux e Haut Brion? Para os amantes e conhecedores do mundo do vinho, são como vizinhos de Baco. Qual o preço que se paga para tomar uma taça no Olímpo? Bom você pode pesquisar e parcelar se for o caso!

Existe um glamour que rege o mundo dos vinhos e brincar de forma inteligente com esses sabores é um luxo. Para Eugenio, esse seria “o mundo ideal” em um jantar de fim de ano com aqueles que amamos. Claro que os valores são altíssimos, mas quem sabe em família alguma dessas opções possa se tornar realidade. A dica é boa e de quem entende do negócio.

Santé et bonnes fêtes

Sugestões da casa:

 

Editorial
Por que cervejas artesanais custam tão caro?

Por que cervejas artesanais custam tão caro?

Todo cidadão possui um sócio oculto. Ele se chama Estado. Até no bar (ou principalmente nele) este sócio marca presença, pronto pra filar uns goles da nossa cerveja.
23/08/2017
Editorial
Folclore e inovação: visitamos a fazenda do Café Seis de Janeiro

Folclore e inovação: visitamos a fazenda do Café Seis de Janeiro

Estávamos curiosas para descobrir a história por trás da marca de cafés especiais. Em uma manhã, aprendemos sobre a bebida e tivemos uma aula de folclore regional!
18/08/2018
Editorial
Conheça a história empreendedora do Burgay, a hamburgueria mais gay de SP

Conheça a história empreendedora do Burgay, a hamburgueria mais gay de SP

Batemos um papo com Rafael Lundgren, ex-roteirista carioca que deixou a profissão para apostar nos lanches com pão rosa, glitter e com nomes de divas do pop. A operação é exclusiva pelo iFood e o foco é a representação LGBTQI.
03/09/2019
Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #3

saiba antes, saiba mais: