Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine
página inicial » Editorial »

6 perguntas sobre azeites, falsificação e produção nacional

16/07/2019

por: Fran Micheli
6 perguntas sobre azeites, falsificação e produção nacional
Sandro Marques é pesquisador, professor e autor do Guia de Azeites do Brasil | Foto: divulgação

O azeite é o segundo produto mais falsificado do mundo, só ficando atrás do pescado, de acordo com informações do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal (Dipov) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). E isso se torna ainda mais preocupante quando olhamos para o nível de consumo no Brasil: aumentamos em 45% em consumo apenas entre janeiro e julho de 2017 e 2018, representando mais de 30 toneladas do produto nas mesas brasileiras.

E diante de um mercado tão aquecido, a preocupação sobre a qualidade é inevitável. Em julho deste ano, o MAPA proibiu a venda de seis marcas de azeite de oliva depois que a fiscalização do encontrou produtos fraudados e impróprios para o consumo humano. Foram recolhidos todos os azeites das marcas Oliveiras do Conde, Quinta Lusitana, Quinta D’Oro, Évora, Costanera e Olivais do Porto. Os responsáveis pelas marcas são Rhaiza do Brasil Ltda, Mundial Distribuidora e Comercial Quinta da Serra Ltda.

E para esclarecer alguns pontos ainda obscuros sobre o azeite de oliva de boa qualidade, entrevistamos um dos maiores especialistas do Brasil no assunto, Sandro Marques. Sandro é professor, pesquisador, pós graduado em gastronomia, jurado de prêmios gastronômicos e editor do blog Um Litro de Azeite. Ele também é autor do Guia de Azeites do Brasil e acabou de lançar o livro infantil  O que Comem os Astronautas?

Brasil consome atualmente mais de 30 toneladas de azeite por semestre | Foto: pexels

FM – Você acredita que no Brasil ainda falta educação para o consumo do azeite de oliva?

SM - Falta educação para o consumo, embora este não seja um problema exclusivamente brasileiro. Algumas fraudes são mesmo difíceis de serem detectadas e outros países que são grandes importadores de azeite, como os EUA, também estão sujeitos a comprarem azeites falsificados. O melhor detector de fraudes, para o consumidor final, ainda é o nariz. É preciso educar-se para reconhecer os aromas que são indicadores de qualidade e os aromas que são provenientes de defeitos. E não há milagre com relação a preço: azeite muito barato é de qualidade ruim, já está envelhecido ou é fraudado mesmo.

FM - Na sua opinião, os pontos de venda, supermercados e redes têm responsabilidade nestes crimes por não questionarem sobre procedência?

SM - Os azeites proibidos, até onde pude ver, eram vendidos em redes ou supermercados menores, com baixa capacidade para avaliar a qualidade do produto. Acredito que é papel do MAPA intensificar este tipo de análise.

FM - O que caracteriza um azeite fraudado?

SM - Normalmente é um óleo refinado ao qual se acrescenta um pequeno percentual de azeite ou aromatizante. O caso mais grave é quando, como nesses últimos azeites proibidos pelo MAPA, está se usando azeite lampante, que é impróprio para consumo, por ter um nível de acidez livre acima de 2%, o que é indicador de degradação do azeite. Em todos os casos, trata-se de um crime contra a saúde do consumidor, porque essas misturas não têm as mesmas qualidades para a saúde que um azeite de oliva verdadeiro tem.

FM - Quais suas dicas para o consumidor não ser enganado na hora de comprar um azeite?

SM - Começar a se educar. Comprar um azeite comum e investir num azeite de qualidade – um bom azeite brasileiro. Experimentar os dois azeites lado a lado para aprender a reconhecer o aroma de um azeite de qualidade. A partir disso, evitar preços muito baixos e azeites produzidos fora do Brasil mas envasados no Brasil. Neste último caso, não só o azeite pode ter desenvolvido defeitos durante o transporte, como o fato de ser envasado aqui pode ser também uma porta aberta para a fraude. Tomar cuidado com ofertas. Os melhores azeites são azeites jovens – muitas vezes as ofertas são de azeites extraídos ou envasados há mais de dois anos.

FM - Para este ano, está prevista a maior produção de azeite do Brasil, devendo atingir 160 mil litros. Além do Rio Grande do Sul, outros estados também estão se destacando na produção. A que você deve este crescimento?

Minas Gerais produz excelentes azeites e São Paulo também. Já há produção em Santa Catarina, Paraná e na região de serras do Espírito Santo. Este crescimento é sobretudo fruto da persistência e empreendedorismo dos produtores, aliado a um movimento de valorização de produtos alimentícios artesanais brasileiros que ganhou força na última década.

FM - O que você acha que falta para haver uma valorização do azeite nacional, assim como há, tradicionalmente, do azeite importado?

Parte da resposta é bem simples: o brasileiro precisa saber que existe azeite produzido no Brasil e que ele tem excelente qualidade – aliás, ganhamos vários prêmios internacionais nos últimos anos, ficando ao lado de países tradicionais como Portugal em Itália. Fora isso, a partir do momento em que uma pessoa prova um azeite super fresco, recém produzido, ela imediatamente sente a diferença em relação a um azeite importado de baixa qualidade.

Sugestões da casa:

 

Editorial
Mercado cervejeiro, na real

Mercado cervejeiro, na real

O cervejeiros caseiros ganharam um reality show, e por causa disse eu olhei o mercado e fiz uma reflexão
29/10/2017
Editorial
“Eu não sou emagrecedora de pessoas”

“Eu não sou emagrecedora de pessoas”

Conheça a filosofia da nutrição amorosa, desenvolvida por Marcia Daskal
25/04/2018
Editorial
Pratinha revolutionizes brewing market with instant beer, Magic Booze

Pratinha revolutionizes brewing market with instant beer, Magic Booze

This new innovative product was show cased at Mondial de la Bière in São Paulo. To develop the instant beer, a 9 month research and an investment of almost 2.3US$ million were done by Pratinha Brewery.
03/06/2019
Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #3

saiba antes, saiba mais: