Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine
página inicial » Editorial »

Campeonato Brasileiro de Cup Tasters 2019, a competição sensorial do café

04/05/2019

por: Bia Amorim
Campeonato Brasileiro de Cup Tasters 2019, a competição sensorial do café
Fotos por Bia Amorim para Farofa Magazine

Dias atrás eu estava em São Paulo e fui tomar um café, como faço todas as manhãs bem cedinho. Fui pela primeira vez no Octavio Café, pedi café coado, pão na chapa e uma água. Pedido básico e rotineiro. O cheiro de cafeterias é sempre mágico pra mim, traz um sinal de que o dia despertou. Na hora de pagar as despesas, angariei um pacote de café moído para acompanhar os dias de trabalho na cidade. Nem imaginava que ia esbarrar com a Martha Grill, mas foi só guardar o cartão no bolse e me virar e bumm, ela estava lá.

Marta Grill, contagiante.

Quem não conhece Martha é porque não é chegadx ao mundo profissional dos cafés, barista de mão cheia, a gaúcha vem se destacando e ano passado foi a campeã brasileira do concurso nacional de barismo em 2019. Este ano foi a Boston representar o país na competição mundial. No rápido “oi”, falamos sobre o Campenato Brasileiro de Cup Tasters que aconteceria dias depois, na fazenda da O´Coffee em Pedregulhos, interiorrrr do estado de São Paulo, perto de Ribeirão Preto. Já estava sabendo do evento, mas fiquei mais instigada em ir e conhecer sobre a modalidade de degustação de cafés.

No caminho até a fazenda, já nas estradas próximas, é possível ver que a plantação de café ainda é ativa por aquelas bandas. Parte cana, parte café, até que em determinado momento quase que só café. Passando pelas pequenas cidades, o cheiro da torra indica que estamos no caminho certo. Cheguei na manhã do dia 3, segundo dia do evento e com a classificação das oitavas de final já sabida. Ao estacionar o carro, pelo som que ouvi parecia que tinha um time de basquete em quadra jogando com a torcida a favor.

Se é para torcer que seja com muita emoção!

As inscrições para o campeonato abriram em março, diretamente no site da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA, sigla em inglês).  No total foram 48 profissionais que estiveram na competição deste ano.

Como funciona?

São 4 mesas cumpridas e divididas em 16 quadrados. São 8 testes, com 3 cafés preparados especialmente para a competição e em compartimentos de porcelana, como se fossem grandes xícaras. São testes triangulares, onde o competidor tem que distinguir qual é o café diferente do trio e separar no quadrante seguinte. Importante, o menor tempo conta se houver empate.

Carrinho organizado e carregado com muito cuidado.

São feitas 12 rodadas para chegar as classificatórias, o tempo máximo é de 8 minutos para cada rodada, que tem 4 participantes. Maior acertos em menos tempo é a meta de todos. Não existe juiz e não é uma questão qualitativa.

Tabela com os 16 classificados.

Aquecimento sensorial para quem ainda não se inscreveu

Enquanto as rodadas vão acontecendo oficialmente, no balcão de trás, uma mini competição amadora também acontece. Aqueles que ainda não são profissionais ou apenas querem testar seus sentidos, podem fazer uma competição de dupla, com 4 testes. Quem estava organizando essa divertida e leve competição era o Arthur Malaspina. Ele foi o campeão de Barismo de 2019 na categoria Brewers Cup, com o melhor café filtrado da competição. 

Arthur Malaspina, um bom café coado é sua especialidade. Ele é da Octavio Café e trabalha junto com Martha, mas fica na fazenda cuidando também da qualidade. Pode conferir sobre sua premiação aqui.

Marya del Castro Degustação não oficial e treinamento para quem ter a emoção do relógio contra o sensorial.

3, 2, 1 valendo

Não é tarefa fácil encontrar as sutilizas e pequenas diferenças entre os cafés colocados para teste. As vezes pode ser uma acidez ou pode ser a doçura, mas também pode ser um outro pequeno detalhe, as milhares de minúncias que um ótimo café tem. Os competidores que concorrem precisam estar muito atentos a cada pormenor e focar na percepção. Os auxiliares vão avisando o tempo.

Competidores concentrados. Escolhas e mais escolhas.

O cronômetro só para quando o competidor termina as 8 amostras e sinaliza que acabou.

É emoção que você quer? Os competidores estão 100% ali e o coração fica na boca enquanto Martha vai desvendando os acertos ou erros, em um show a parte.

Sander, intenso a cada rodada.

Elena era emoção junto com a torcida e a torcida com ela.

Confira aqui os 16 degustadores classificados. São profissionais de diversas áreas do café, que treinam muito para conseguir estar com o paladar e todo o sensorial apurado. Na hora em que as provas estão acontecendo, o silêncio é muito importante para a concentração. Enquanto a degustação acontece, vários assovios que parecem música. Não é o público não, é que existe uma técnica para sorver o líquido, ajudando na degustação.

Lais, Elena, Sander, Naves, Luiz, Baba, Veronica e Edmilson

Vinicius, Leandro, Jorge, André, Gian, Breno, Ricardo e Deborah

A mais nova entre os competidores é a Deborah Domingos, que tem apenas 18 anos e faz um ano que se interessou pelo mercado. Com paladar aguçado, chegou até as oitavas e fez uma brilhante apresentação. 

Deborah mostrou que dedicação é importante para quem está a pouco tempo no mercado.

Já o mais experiente da turma é o Jorge Menezes de Assis, com 38 anos na área do café, um espetáculo a parte mostrando que tempo constrói ótimos profissionais.

O respeitado e querido Jorge, tinha uma torcida imensa aplaudindo.

A semifinal aconteceu com os 8 melhores da última rodada: Wellignton, Vinícius, Jorge, Naves, André, Edimilson, Sander e Laís se dividiram em 2 turmas e os tempos e acertos ficam cada vez mais emocionante.

Lais comemorando cada acerto.

Danilo Lodi, juiz certificado WBC e importante consultor na área de cafés, no Brasil e no mundo, era quem estava à frente da competição, fazendo todas as medições dos cafés, checando as temperaturas e acompanhando as provas e tempos que eram cronometrados por auxiliares, um em cada mesa. Neste vídeo (aqui na tv espresso) publicado pela Revista Espresso (mídia oficial do evento) ele explica como funciona a competição.

Todas as xícaras passam por averiquação de temperatura. Danilo Lodi.

Depois que todos terminam, ao final de 8 minutos, Martha e Danilo passam de mesa em mesa checando os acertos. É neste momento que a sala fica tensa e cada xícara levantada é comemorada com barulho ou sentida com silêncio. Para fazer as expectativas ficarem ainda mais tensas, Danilo e Martha iam de mesa a mesa, subindo 4 a 5 xícaras e passando para a próxima. Com a competição acirrada nos acertos, o tempo fez muita diferença.

A grande final

No meio da tarde, por volta das 15h30 chegou a tão esperada final e os 4 competidores que estavam nas mesas eram: Welligton, André, Jorge e Naves. 

Danilo e Martha, fazendo suspense para a grande final.

Em terceiro lugar ficou José Naves, com seis acertos em 4:11

Baba é um recorde de tempo. Fez a prova mais rápida de toda competição, em menos de 2 minutos e com 7 acertos!  Ele é da Cocarive, do Vale do Rio Verde, em Carmo de Minas, MG.

Foi André Aguila o vencedor com 8 acertos, gabaritando a prova em 5:35 minutos. Ele é da Ouro Verde Corretagem de Cafés, em Minas Gerais.

Depois de dois dias de maratona, o vencedor de tantas etapas é André Aguila e vai representar o Brasil no mundial que acontece em Berlim na Alemanha, agora em junho.

Agora é só comemorar!

Fiquei animada em estudar um pouco mais e testar as minhas habilidades sensoriais e você? 

Tulio Fernando, Arthur e Martha a alegria de se trabalhar com o que gosta. O mundo do café é mesmo cafeinado em alegria.

Para ver a matéria sobre o campeonato no Revista Espresso AQUI

Para ver os vídeos das finais, na TV Espresso AQUI

Sugestões da casa:

 

Editorial
13 coisas para não fazer bebendo cerveja artesanal

13 coisas para não fazer bebendo cerveja artesanal

Toda semana tem um texto novo na web falando sobre qual cerveja tomar, que evento ir, qual comida harmonizar, qual cerveja da estação e muitos assuntos. Mas e o que não fazer no mundo cervejeiro, bebendo cerveja ou falando sobre ela?
08/04/2018
Editorial
O que aconteceu com o mercado de food trucks de Ribeirão?

O que aconteceu com o mercado de food trucks de Ribeirão?

Em apenas dois anos, a promessa eufórica de negócios bem sucedidos deu lugar a um segmento incerto. Passando pelo auge em 2015 e queda em 2016, o mercado dos food trucks hoje em Ribeirão Preto traz a pergunta: e aí, vai durar?
04/08/2017
Editorial
Páscoa das grifes: os ovos mais lindos do mundo são obras de arte

Páscoa das grifes: os ovos mais lindos do mundo são obras de arte

Os melhores chocolatiers não fazem chocolate só para crianças comerem. Batemos um papo com o chef confeiteiro Thiago Dias, do Four Seasons Hotel em São Paulo sobre a arte do chocolate.
16/04/2019
Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #02
artigos

Rafael Tonon

Rafael Tonon

Como seu fígado

Vera Cristina

Vera Cristina

A Alfabetização Científica e a arte da Gastronomia, existe algum paralelo possível?

Bia Amorim

Bia Amorim

A arte de comer

Bia Amorim

Bia Amorim

No meu leite de morte

saiba antes, saiba mais: