Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine
página inicial » Editorial »

Embalagem de salgadinho que é obra de arte? Conheça a história do design da Piraquê

24/10/2019

por: Luciano Filho
Embalagem de salgadinho que é obra de arte? Conheça a história do design da Piraquê
Arte original do Queijinho, por Lygia Pape | Foto: reprodução

Por décadas, o design premiado da artista Lygia Pape estampa os mais nostálgicos salgadinhos da empresa prestes a completar 70 anos. Conheça a história dessa designer e porque as embalagens da Piraquê merecem a sua consideração.

Em termos de mercado, são poucos os itens que escapam à extinção frente aos novos produtos e mais restrito ainda são os produtos que conquistam a memória afetiva do público. Esse é justamente o caso dos biscoitos Piraquê, marca recentemente vendida ao grupo cearense M. Dias Branco e que passou por um profundo reposicionamento.

E quem é que nunca comeu ou resgata lembranças da infância ao lembrar da famosa marca de salgadinhos? O que você talvez não saiba é que as icônicas e psicodélicas embalagens são obra de uma das artistas plásticas mais bem sucedidas do Brasil, a Lygia Pape.  

Origem da Piraquê

A marca nasceu no ano de 1950 no Rio de Janeiro - onde a Piraquê é mais conhecida - bairro da Madureira, graças a Celso Colombo, então engenheiro agrônomo que tinha decidido ingressar no ramo de biscoitos, área na qual seu pai já tinha dado alguns passos anos antes.

A inauguração da fábrica da Piraquê, no entanto, aconteceu algum tempo depois, em 1953. Inicialmente, 200 empregados deram início à produção de biscoitos salgados. A fábrica possuía os mais modernos equipamentos da época como a máquina Vicars, de forno contínuo, que dispensava o velho uso de bandejas que eram levadas ao forno uma a uma.

Já em 1957 a empresa diversificou sua linha de produtos com o lançamento das massas nos formatos espaguete e talharim. E desde então não parou mais de inovar, tanto em seus produtos quanto na forma de entregá-los ao consumidor.

Lata Piraquê. Imagem: Divulgação

Em 1966 a Piraquê criou um dos seus maiores sucessos, o enroladinho de goiabada, que se tornou presente na vida das crianças em seus lanches escolares. Nos anos seguintes, a empresa também inovou quando foi a primeira indústria brasileira a adotar o pacote como embalagem - em um tempo em que os biscoitos eram vendidos em latas. E isso foi graças à artista Lygia Pape.

Design de Lygia Pape

Dentre os maiores ícones da história da Piraquê está o design. As embalagens de biscoitos cream cracker, maisena e os famosos Queijinho e Presuntinho, assim como as massas, as pinturas de caminhões e até mesmo o logotipo foram as que mais se destacaram ao longo dos anos pela originalidados. Todas as embalagens foram desenvolvidas pela escultora, pintora, cineasta, professora e artista multimídia brasileira, Lygia Pape (1929-2004). 

A artista Lygia Pape em seu ateliê. Reconhecimento por unir arte e publicidade | Foto: Wikiart

As obras criadas pela artista nos anos 1950 com design em tela tornaram seu nome cada vez mais conhecido e, com sua ida para a Piraquê, ficou responsável por toda a criação da identidade visual da marca nos anos 1960. Seu trabalho então, se tornou um marco para o mercado pela valorização da relação da arte com o design e vice-versa.

O cenário artístico nacional da época foi renovado por Lygia, que fez referências às Xilogravuras - técnica de impressão muito antiga que consiste em uma gravura, na qual se utiliza uma madeira como matriz, possibilitando a reprodução da imagem gravada sobre papel ou outro suporte. Esse método esteve presente em diversas embalagens dos produtos da Piraquê até o ano de 2009, já que posteriormente, a identidade visual dos produtos passou por um processo de renovação.

Após renovação das embalagens, a obra de Lygia continua norteando o design dos produtos. 

Muitos consumidores dos produtos da Piraquê, assim como artistas e especialistas em Design criticaram a mudança no visual da marca por considerarem o trabalho feito por Lygia Pape simplesmente impecável e imutável, tanto pela capacidade de chamar a atenção quanto pela sua relação íntima com a arte. Mas fato é que nada vai alterar a história de Lygia e sua contribuição com a marca, a indústria e a arte. (veja AQUI, AQUI)

A Piraquê hoje

Embalagens antes (acima) e depois (abaixo) da reformulação da marca, em 2009. Críticos falam em "crime" contra a obra de Lygia Pape | Imagens: reprodução 

Atualmente, a Piraquê emprega mais de 3.500 funcionários e acumula 5 prêmios de Qualidade e Excelência Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

A empresa começou como fábrica de biscoitos e hoje tem diversas linhas de massas, biscoitos doces, chocolates, torradas e até mesmo refrescos em pó. É presente em cerca de 60 mil pontos de venda espalhados por todo o Brasil, sendo que 70% de todo o faturamento está concentrado no estado do Rio de Janeiro. No entanto, amantes em outros estados não faltam. 

Ana Carolina Quintero, 37, vendedora, e Vitória Conrado, 19, estudante - mãe e filha respectivamente - compram os produtos da Piraquê há 10 anos, quando moravam em Florianópolis (SC), e agora, que moram em Ribeirão Preto (SP). Não negam que os salgadinhos de presunto são os seus favoritos e Ana conta que “o que mais chamou a atenção na marca foi a embalagem, toda ‘organizadinha’ e, na época, foi por causa dela que decidi experimentar. Desde então continuo comprando”.

Elas e milhares de pessoas ao longo dos quase 70 anos de história da Piraquê foram fisgadas, tanto pelos olhos quanto pelo sabor dos produtos. História que tende a se estender por mais tempo, interligando-se entre gerações e fazendo parte da vida de cada vez mais pessoas.

Sugestões da casa:

 

Editorial
Cerveja, machismo e um pedido de desculpas

Cerveja, machismo e um pedido de desculpas

Conversamos com um psicanalista e com o gerente de marketing da Skol para entender melhor o tortuoso caminho da publicidade cervejeira.
01/11/2017
Editorial
Conheça a história empreendedora do Burgay, a hamburgueria mais gay de SP

Conheça a história empreendedora do Burgay, a hamburgueria mais gay de SP

Batemos um papo com Rafael Lundgren, ex-roteirista carioca que deixou a profissão para apostar nos lanches com pão rosa, glitter e com nomes de divas do pop. A operação é exclusiva pelo iFood e o foco é a representação LGBTQI.
03/09/2019
Editorial
Conheça o L’Imperial, o coquetel que custa 5 mil dólares

Conheça o L’Imperial, o coquetel que custa 5 mil dólares

Drink é servido do luxuoso Baccarat Hotel em Nova Iorque. Preço inclui taça de cristal Baccarat.
22/11/2019
Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #3

saiba antes, saiba mais:

artigos

Bia Amorim

Bia Amorim

Tomando cerveja sozinha né minha filha?

Camilla Cristini

Camilla Cristini

A comida além da mercadoria: um ode à natureza e à consciência

Marcelo Whately

Marcelo Whately

O que será do mercado da carne?

Marcia Daskal

Marcia Daskal

Dicas para comer melhor em tempos de quarentena

Bia Amorim

Bia Amorim

Eu só queria um copo limpo

Camilla Cristini

Camilla Cristini

"Diz-me o que comes e te direi quem és”