Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine
página inicial » Editorial »

Empreendedorismo feminino na periferia: conheça as meninas da Mafiosa Comida de Rua

12/01/2019

por: Fran Micheli
Empreendedorismo feminino na periferia: conheça as meninas da Mafiosa Comida de Rua
Fotos: Fran Micheli

O Parque Ribeirão, bairro periférico de Ribeirão Preto, anda movimentado. Desde que a sede fixa de uma hamburgueria foi inaugurada por lá, há pouco mais de um ano, gente da cidade inteira tem procurado conhecer o lado oposto da midiática Zona Sul e a explorar novos sabores pela cidade.

Comandado pelo casal Thaísa Silva e Brenda Cristina, a Mafiosa Comida de Rua tem mais de quatro anos e, como negócio, já passou por uma evolução impressionante. Quem vê a hamburgueria estruturada, bombando e servindo de referência pra muitos outros empreendedores, nem imagina que tudo começou com uma barraquinha. Literalmente.

Índia, apelido de Thaísa, é filha de feirantes e já trabalhou na feira um bom tempo. Precisando complementar a renda em casa, passou a vender milho cozido na porta do Senac, em Ribeirão. No primeiro dia o caixa foi de R$4, mas não desanimaram. Quando tudo parecia mais estável, um concorrente passou a vender o mesmo produto ao lado delas bem mais barato. “Tive que justificar meu preço oferecendo algo diferenciado. Aí pesquisei como o milho era vendido nos Estados Unidos e veio a ideia de adicionar bacon, cream cheese, ervas e outras coisas. Foi sucesso absoluto porque era uma refeição completa para os estudantes que, muitas vezes, iam para o curso direto do trabalho com fome”, lembra Índia.

A Casa Mafiosa se reergueu após um assalto em agosto de 2018. 

A trajetória

O milho foi o carro-chefe das meninas por muito tempo e impulsionou a veia empreendedora das duas que, hoje, estão noivas.

Em 2016, compraram um food truck com ajuda generosa da mãe da Brenda, que deu na mão delas todo o FGTS que juntou a vida toda trabalhando como doméstica. “Eram oito mil reais e eu nunca tinha visto aquela quantidade dinheiro na minha existência. Sabia que elas administrariam esse dinheiro melhor que eu”, diz Renata.

E deu certo. Na inauguração, que aconteceu no Parque Ribeirão, venderam 190 hambúrgueres a R$8. O food truck passou a circular entre eventos e festivais gastronômicos, trazendo reconhecimento instantâneo ao trabalho das meninas. E pudera. Índia comanda a churrasqueira sozinha com braço forte e Brenda administra o negócio aproveitando a experiência como assistente contábil.

Hot dog com molho de carne, o milho famoso com bacon, presunto e cream cheese e uma Weizenbock da cervejaria local Pratinha

Em 2018, a Casa Mafiosa foi aberta no Parque Ribeirão, indo na contramão do impulso empreendedor em torno da Zona Sul. E a estratégia funcionou, a casa fica cheia de quarta a domingo.

As cervejas artesanais da cidade como Colorado e Pratinha também ganharam espaço no cardápio. “Queremos também educar as pessoas para o que estão consumindo e a ensina-las a consumir pelo valor, não pelo preço”.

Em agosto de 2018, a casa foi assaltada e levaram equipamentos, facas, utilidades, estoque. Amigos e parceiros se uniram para reerguer o negócio e aí as meninas perceberam o quanto a Mafiosa significava para a comunidade. Logo depois, o Jornal A Cidade elegeu o hot dog delas como o melhor de Ribeirão, levando até lá um público que até então jamais havia pensado em ir até a periferia pra comer um lanche.

Hamburguer clássico: 130g de carne, queijo, bacon artesanal, alface, rúcula, tomate e cebola. 

Amor, feminismo e parceria

As duas estão juntas há mais de oito anos e se conheceram no campo de futebol. Índia jogou profissionalmente pelo Botafogo e participou de um amistoso contra o time de Brenda. A rivalidade deu início a um relacionamento cheio de amor e parceria. “Digo que o negócio prosperou porque somos muito parceiras, a gente se complementa e devo tudo isso a ela”.

Índia tem 23 anos e Brenda, 26. Ambas cresceram no Parque Ribeirão, sem pai, e tiveram que ir à luta muito cedo.

A Mafiosa Comida de Rua tem energia feminina e, atualmente, conta com seis pessoas na equipe, formada pela mãe de Brenda e amigas do casal.  

Na churrasqueira, os pedidos vão ficando prontos. Hambúrgueres com cheddar fundido, shitake, queijo coalho com mel e o tal do milho que deu início a toda a história não para de sair. “Vem gente aqui que era nosso cliente lá na porta do Senac. Querem comer o tal do milho, rola uma memória afetiva, é muito legal”, conta Índia.

A Mafiosa fica na rua Vereador Antonio Nogueira de Oliveira, 744 – Parque Ribeirão.

Thaisa Silva, 26 e a noiva Brenda Cristina, 23, proprietárias da Mafiosa Comida de Rua

Sugestões da casa:

 

Editorial
“Preconceito? Que nada, eu confio no meu taco”

“Preconceito? Que nada, eu confio no meu taco”

De um trailer no centro da cidade que vendia salgados a 50 centavos, Salete hoje conta com sete lojas, incluindo um drive thru. Conheça a história dessa empreendedora que espalha otimismo por onde passa.
13/11/2017
Editorial
Buscar alimento onde sobra, levar a quem falta

Buscar alimento onde sobra, levar a quem falta

Em Ribeirão Preto, mensalmente, o programa Mesa Brasil redireciona 15 toneladas de vegetais em bom estado que iriam para o lixo.
19/10/2017
Editorial
Conheça a história empreendedora do Burgay, a hamburgueria mais gay de SP

Conheça a história empreendedora do Burgay, a hamburgueria mais gay de SP

Batemos um papo com Rafael Lundgren, ex-roteirista carioca que deixou a profissão para apostar nos lanches com pão rosa, glitter e com nomes de divas do pop. A operação é exclusiva pelo iFood e o foco é a representação LGBTQI.
03/09/2019
Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #3

saiba antes, saiba mais:

artigos

Bia Amorim

Bia Amorim

A história da capa

Sabrina Cyrillo Medella

Sabrina Cyrillo Medella

Indústria de alimentos, uma eterna incompreendida

Carlos Alberto Dória

Carlos Alberto Dória

Caipira enjoado

Fran Micheli

Fran Micheli

Visita de self-service

Gabriel Castaldini

Gabriel Castaldini

Grumixama, Gravatá, Curriola ou salada mista?

Fran Micheli

Fran Micheli

Filosofia de rodízio