Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine
página inicial » Editorial »

Folclore e inovação: visitamos a fazenda do Café Seis de Janeiro

18/08/2018

por: Fran Micheli
Folclore e inovação: visitamos a fazenda do Café Seis de Janeiro
Márcio Resende explica as diferenças das variedades de café | Foto: Fran Micheli

O cheiro de café chega antes de avistarmos a plantação. Márcio nos recebe com um boné que é pra não queimar a cuca no sol quente. A manhã prometia ser interessante.

O nome nada convencional atiçou nossa curiosidade e fomos atrás da história. Márcio Luís Palma Resende, o proprietário, conta que suas memórias mais remotas trazem as vozes agudas dos cantadores da Folia de Reis, tradição folclórica muito popular em Altinópolis.

Quando criança, Márcio descia as ruazinhas de terra por entre as plantações junto com as companhias de Folia de Reis, sempre no dia seis de janeiro. Na época, seu pai, bom católico que era, fez uma promessa a Santos Reis e, como prenda, prepararia um almoço ou jantar para as companhias de Folia de Reis todos os anos. A graça foi alcançada e a promessa se concretizou. Márcio, todos os anos, esperava ansiosamente pela cantoria estridente, máscaras, fitas coloridas e os violeiros fantasiados.

Barracão de armazenamento | Foto: Fran Micheli

Em 2017, com as condições perfeitas da fazenda que fica a mais de mil metros acima do nível do mar, Márcio apostou no mercado de cafés especiais e lançou sua a marca própria Em homenagem à data da Folia de Reis, surgiu o Seis de Janeiro. “Sempre achei que café não é só café. É sensorial, cultura. Gosto de valorizar a cultura da minha região”, conta.

Antes da colheita, existe a escolha do talhão com maior nível de perfeição dos frutos. A partir daí, o grão é colhido manualmente e separado de galhos, folhas e impurezas. O processo de secagem é à moda antiga, no terreiro da fazenda, e chega a levar o dobro de tempo da secagem convencional. Todos os envolvidos no processo de produção possuem curso e treinamento. Isso desde o tratorista até o provador do café, que determina sua qualidade.

Processo de cupping, onde as características sensoriais do café são avaliadas | Foto: Fran Micheli

Atualmente, o Café Seis de Janeiro é vendido em Ribeirão Preto, Franca e região.

Sugestões da casa:

 

Editorial
PJCP, o pudim profissional

PJCP, o pudim profissional

O rei das sobremesas de final de semana, a receita que leva apenas 3 ingredientes, o doce que todo brasileiro já deve ter provado. O pudim com seu próprio programa de pontos e classificação.
06/12/2018
Editorial
Buscar alimento onde sobra, levar a quem falta

Buscar alimento onde sobra, levar a quem falta

Em Ribeirão Preto, mensalmente, o programa Mesa Brasil redireciona 15 toneladas de vegetais em bom estado que iriam para o lixo.
19/10/2017
Editorial
13 coisas para não fazer bebendo cerveja artesanal

13 coisas para não fazer bebendo cerveja artesanal

Toda semana tem um texto novo na web falando sobre qual cerveja tomar, que evento ir, qual comida harmonizar, qual cerveja da estação e muitos assuntos. Mas e o que não fazer no mundo cervejeiro, bebendo cerveja ou falando sobre ela?
08/04/2018
Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #02
artigos

Bia Amorim

Bia Amorim

Quanto custa beber uma cerveja artesanal?

Bia Amorim

Bia Amorim

O detalhe gastronômico

Fran Micheli

Fran Micheli

10 por cento

Aline Silva

Aline Silva

Habilidades de gestão que podem te ajudar nos negócios (e na vida)

saiba antes, saiba mais: