Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine
página inicial » Editorial »

Segurança alimentar: como evitar perrengues com contaminação dentro e fora de casa

29/04/2019

por: Fran Micheli
Segurança alimentar: como evitar perrengues com contaminação dentro e fora de casa
Foto: Pexels

A alimentação fora de casa se tornou um dos grandes vilões do orçamento do brasileiro nos últimos anos, sendo responsável por cerca de 31% da renda familiar, de acordo com IBGE – instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Com a demanda, o mercado se aqueceu trazendo à tona uma discussão inevitável: será que todo restaurante e lanchonete respeita as regras de segurança alimentar?

Quando o consumidor se alimenta em um local que não segue as normas de segurança alimentar, são comuns casos de DTA - Doença Transmitida por Alimento, que podem gerar desde uma diarreia até casos de botulismo, doença bacteriana que pode levar à morte. O aumento de casos de botulismo no Brasil nos últimos anos – em 1999, houve apenas 1 caso no brasil e em 2013 chegaram a 34 as suspeitas – vem criando alertas para a qualidade do que estamos consumindo dentro e fora de casa. Crianças, idosos e pessoas com a saúde já debilitada são mais suscetíveis à intoxicação alimentar.

E há quem pense que comer em casa nos torna imunes de contaminação, o que não é verdade. E para ajudar você a evitar problemas de intoxicação com restaurantes, marmitas, descongelamento de alimentos, reunimos algumas dicas de ouro com a ajuda das especialistas Simone Galvão e Aline Lana, diretoras da ACN Nutrição, consultoria em segurança alimentar.

COMENDO FORA

1) Em Ribeirão Preto, por exemplo, existe uma lei municipal que obriga todo estabelecimento a ter sua cozinha e dependências internas abertas à visitação do cliente. Portanto, você tem todo o direito de pedir para conhecer o espaço onde é preparada a comida. Consulte a legislação da sua cidade.

2) De acordo com Simone e Aline, um dos erros mais comuns dos restaurantes se refere à higienização dos hortifrútis que, em muitos casos, são apenas lavados e não passam pelo processo de desinfecção, etapa responsável pela eliminação ou redução de microrganismos presentes nas frutas, verduras e legumes.

3) Em salgaderias e bares, observe se as estufas dos salgados estão ligadas e se as saladas estão mantidas em balcões refrigerados. Essas são situação que podem ocasionar uma intoxicação alimentar, já que a temperatura ambiente é ideal para a proliferação de bactérias.

4) Em padarias, verifique os rótulos de embalagens com pães, biscoitos, doces, etc. Eles devem conter no mínimo a data de fabricação e validade.

5) Em todos os estabelecimentos, procure saber se existe um nutricionista profissional responsável pela segurança alimentar ou um profissional cuidando da temperatura dos alimentos frios e quentes.

6) No caso do restaurante, o indicado é que ele prepare o alimento e já sirva na temperatura correta. É comum que molhos, por exemplo, sejam pré-preparados, antes de serem servidos. Mas, para isso, é preciso seguir algumas orientações. Depois de preparado o molho passa por um resfriamento adequado, seguindo os controles de qualidade, para evitar contaminação. Quando for servido, o correto é que ele seja aquecido novamente, acima de 65 graus.

Estufas precisam estar ligadas e estabelecimento tem que ter alguém responsável pela temperatura dos alimentos. Foto: Pexels

Qualquer denúncia por falta de higiene, desrespeito às leis vigentes ou contaminação, deve feita à Vigilância Sanitária da sua cidade, que é o órgão responsável pela fiscalização dos estabelecimentos.

COMENDO EM CASA

Fazer as próprias refeições possibilita que façamos melhores escolhas dos ingredientes, além de baratear o custo da alimentação diária. No entanto, cozinhar não elimina a possibilidade de contaminação por alimento, sendo necessários alguns cuidados básicos para evitar doenças sérias.

Siga as dicas abaixo para congelar a comida de forma correta:

- No caso dos pratos preparados em casa, como uma carne, a recomendação geral é manter o produto congelado por no máximo 30 dias, com a temperatura oscilando entre menos 10 e 18 graus.

- Papinhas de bebê: quando for mantida em geladeira, a recomendação é manter a temperatura o mais baixa possível, entre 2 e 4 graus, por no máximo 3 dias.

- Legumes: para congelar legumes, ferva-os já devidamente limpos, desinfetados e cortados até que atinjam o ponto al dente. Escorra a água e coloque-os em uma bacia com água gelada ou fria com gelo para que interrompa o processo de cozimento. Armazene no freezer em potes muito bem fechados ou em saquinhos plásticos com vedação.

Como fazer a higienização correta do congelador:

1. Limpar com pano descartável e solução de detergente.

2. Enxaguar com pano descartável umedecido em água.

3. Borrifar álcool 70% e espalhar com papel toalha.

4. Deixar secar naturalmente.

Como fazer a higienização correta do freezer e geladeira:

1. Desligar o equipamento da energia e transferir os produtos para outro local refrigerado.

2. Retirar as partes móveis (prateleiras, gavetas) e lavar com água e detergente, secar e borrifar álcool 70%.

3. Lavar com a solução de água e detergente e auxílio da esponja a parte interna e externa, incluindo borrachas das portas (retirar o excesso de água da esponja para a limpeza).

4. Retirar o resíduo de detergente com pano descartável umedecido em água.

5. Secar com pano descartável.

6. Borrifar álcool 70%, espalhar com papel toalha e deixar secar naturalmente.

7. Colocar as partes móveis e ligar o equipamento.

8. Quando atingir a temperatura adequada transferir os alimentos.

Sugestões da casa:

 

Editorial
Por que cervejas artesanais custam tão caro?

Por que cervejas artesanais custam tão caro?

Todo cidadão possui um sócio oculto. Ele se chama Estado. Até no bar (ou principalmente nele) este sócio marca presença, pronto pra filar uns goles da nossa cerveja.
23/08/2017
Editorial
Lançada a versão 2019 do guia americano da Brewers Association, importante referência para concursos cervejeiros

Lançada a versão 2019 do guia americano da Brewers Association, importante referência para concursos cervejeiros

Lançado no dia 1 de maio, guia é referência para cervejeiros profissionais e organizadores de competições de cerveja.
02/05/2019
Editorial
Tecnologia que você bebe

Tecnologia que você bebe

Dá para dizer sem medo de errar que fazer cerveja é basicamente fermentar cereais. Mas, embora esta seja uma verdade de 8 mil anos, a indústria cervejeira tem sido impactada por grandes descobertas ao longo dos últimos séculos.
03/01/2018
Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #3

saiba antes, saiba mais:

artigos

Bia Amorim

Bia Amorim

A história da capa

Sabrina Cyrillo Medella

Sabrina Cyrillo Medella

Indústria de alimentos, uma eterna incompreendida

Carlos Alberto Dória

Carlos Alberto Dória

Caipira enjoado

Fran Micheli

Fran Micheli

Visita de self-service

Gabriel Castaldini

Gabriel Castaldini

Grumixama, Gravatá, Curriola ou salada mista?

Fran Micheli

Fran Micheli

Filosofia de rodízio