Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine
página inicial » Editorial »

Zabayone, o clássico sorvete ribeirão-pretano que concorre como melhor do mundo

19/02/2019

por: Fran Micheli
Zabayone, o clássico sorvete ribeirão-pretano que concorre como melhor do mundo
O mestre sorveteiro Antônio Carlos de Freiria: sorvete todo dia, sem engordar | Foto: Fran Micheli

Se você já foi à Sorveteria Vanesa, deve ter experimentado (ou ouvido falar) sobre o famoso Zabayone, o sorvete carro-chefe da casa. Homenageando a sobremesa italiana Zabaglione que leva apenas gemas, acucaa e vinho doce, o sorvete ganhou amêndoas torradas na receita e caiu no gosto até das crianças. Na preparação, o álcool do vinho evapora, deixando apenas os taninos que dão o sabor marcante.

Como tudo começou

A história da Sorveteria Vanesa (com um S mesmo) é longa e começa com um mestre sorveteiro italiano que aprendeu a fazer sorvete na Alemanha e veio vender na Argentina. Antônio de Lucca acabou vindo ao Brasil na década de 1970 onde se estabeleceu e passou a trabalhar fazendo sorvetes na extinta Confeitaria Fiorella, que ficava na avenida Nove de Julho. Depois, abriu a própria sorveteria no centro de Ribeirão, batizando-a com o nome de uma sobrinha querida, a Vanesa.

Em 1994, um executivo que buscava uma mudança radical na vida, decidiu comprar a sorveteria e aprender a arte de fazer sorvete. Antônio Carlos da Freiria passou a fazer cursos e um dia, empolgado com o que havia aprendido em um deles, mostrou orgulhosamente a apostila para o mestre, Toni. “Ele jogou tudo no chão e disse que sorvete não se faz assim, que não se deve colocar ‘essas porcarias’ para render mais. Aí ele me explicou que sorvete é alimento e inserir emulsificantes e conservantes só dificulta a digestão do cliente, que pode não voltar mais”, lembra Antônio Carlos.

A receita: gemada, açúcar e vinho com amêndoas torradas adicionadas no final  | Foto: Fran Micheli

Os sorvetes até hoje são feitos como manda o figurino europeu. E o Zabayone, segundo Carlos, se tornou o queridinho justamente por não ser comum entre o paladar do brasileiro. “Ele é cozido em banho maria por horas, leva gemada, vinho tinto, açúcar e creme de leite, uma combinação incomum ao nosso gosto que deu certo”.

Semanalmente são vendidos 100 quilos somente do Zabayone, que também é produzido nas versões com cereja e ao rum.

Carlos ainda cita as outras duas sorveterias tradicionais da cidade que apostam nos ingredientes 100% naturais, Jô e Geraldo. “Eu não chego aos pés do que o Geraldo fazia pela cultura sorveteira, mas estamos indo bem”, diz, afirmando que o Zabayone é o único na cidade que causa vício.

Na disputa entre os melhores do mundo

Em 2018, o Zabayone foi um dos três vencedores da primeira etapa do Gelato Festival Challenge, uma competição mundial que irá escolher o melhor sorvete em 2021. Na etapa em que venceu, o Zabayone concorreu com 54 outros sorvetes do Brasil e passou por quatro dias de degustações entre jurados especializados.

A última etapa será em 2021, onde os vencedores de cada país se enfrentarão na disputa final pelo prêmio de melhor sorvete do mundo. O evento é realizado pela italiana Carpigiani, fabricante referência de máquinas para sorvete.

Orgulho na parede: o Zabayone está entre os melhores do mundo | Foto: Fran Micheli

Sorvete engorda?

Segundo Carlos, cuja família e ele próprio tomam sorvete todo santo dia, este é um mito a ser derrubado. Para ele, sorvete é alimento afetivo e, quando é respeitada a produção com ingredientes naturais, torna-se um aliado nutritivo. "Na família, todos são magros e saudáveis".

Como estratégia para derrubar essa ideia de que sorvete não é bom para manter a forma e é algo “pesado”, Carlos criou um campeonato interno onde clientes apostam o quanto conseguem comer. O campeão atual, Elias Freire, está no topo do pódio com 2,248 kg de sorvete, mas já houve o reinado de quem já consumiu 3,620 kg em menos de uma hora.

Segundo Carlos, seria muito difícil comer essa quantidade de sorvetes industrializados.  

Para participar do campeonato, basta solicita no caixa a ficha para o rodízio de sorvete. Você paga um valor fixo e toma o quanto aguentar.

A Vanesa Sorvetes fica na R. Américo Brasiliense, 1122 – Centro e na Av. Costábile Romano, 2644 – Ribeirânia.

Sugestões da casa:

 

Editorial
Conexão com o café

Conexão com o café

Ribeirão Preto já foi uma das mais importantes regiões de produção cafeeira do país; hoje, com o predomínio de outras culturas agrícolas, a região tenta resgatar sua tradição e melhorar o café que produz e que serve.
04/12/2018
Editorial
Conheça Elisa Raus, a primeira mulher com o título de melhor sommelier do mundo

Conheça Elisa Raus, a primeira mulher com o título de melhor sommelier do mundo

Aos 28 anos, alemã desbancou 80 candidatos de todo o mundo.
11/10/2019
Editorial
Cerveja, machismo e um pedido de desculpas

Cerveja, machismo e um pedido de desculpas

Conversamos com um psicanalista e com o gerente de marketing da Skol para entender melhor o tortuoso caminho da publicidade cervejeira.
01/11/2017
Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #3

saiba antes, saiba mais:

artigos

Bia Amorim

Bia Amorim

A história da capa

Sabrina Cyrillo Medella

Sabrina Cyrillo Medella

Indústria de alimentos, uma eterna incompreendida

Carlos Alberto Dória

Carlos Alberto Dória

Caipira enjoado

Fran Micheli

Fran Micheli

Visita de self-service

Gabriel Castaldini

Gabriel Castaldini

Grumixama, Gravatá, Curriola ou salada mista?

Fran Micheli

Fran Micheli

Filosofia de rodízio