Índice do Big Mac, lanche sobe 66% em 4 anos no Brasil

Índice do Big Mac, lanche sobe 66% em 4 anos no Brasil

- em Comer, Matérias
43
O Big Mac. Imagem: Divulgação

Saborosos e clássicos são duas palavras da língua portuguesa que podem bem definir os lanches do McDonald ‘s, principalmente quando se trata do famoso Nº1, ou Big Mac. Tendo isso em mente, a plataforma de descontos online CUPONATION reuniu dados sobre os valores do combo no Brasil e no mundo.

Apesar da rede crescer de forma exponencial ao redor do globo, no Brasil o acesso ao lanche e seus acompanhamentos se tornou privilégio para muitas pessoas nos últimos anos. Isso devido a alta da inflação em cima dos alimentos – que só tende a crescer – e pela contínua falta de emprego, principalmente após dois anos de pandemia.

De acordo com um levantamento divulgado no início de 2022, atualmente o Brasil se encontra no ranking do preço do Big Mac mais caro do mundo, ocupando a posição 58º da lista e cobrando da população uma média de R$30 pelo combo do lanche.

Supondo que um representante familiar leve sua família de 4 pessoas para comer em uma das unidades do McDonald ‘s no Brasil, o valor total desse passeio sairia no mínimo R$120. Ou seja, um gasto de 10% do salário mínimo de R$1.200, segundo o IBGE. Isso, é claro, considerando que essa família coma na rede de fast food apenas uma vez ao mês.

Em 2019 a companhia internacional de dados Statista realizou uma pesquisa semelhante, mostrando que na época esse mesmo combo custava apenas R$18 no Brasil – o que representa um aumento significativo de 66,67% em apenas 4 anos. Confira a pesquisa completa no infográfico interativo do CUPONATION.

Gráfico: CUPONATION

Voltando ao estudo principal, Israel é a nação que está posicionada no primeiro lugar do ranking, em que a população precisa desembolsar R$76,90 pelo lanche e seus acompanhamentos. Suíça e Islândia estão em segundo e terceiro lugares, com R$75,94 e R$71,52, respectivamente. Tunísia ficou em último lugar.


Saiba Mais:

Big Mac: o que é e como funciona esse índice econômico

Você também pode gostar

Faturamento aumenta, mas mais de um terço dos bares e restaurantes ainda trabalhou no prejuízo em fevereiro, diz pesquisa da Abrasel

Depois de anos após o começo da pandemia