Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine
página inicial » Editorial »

Copo americano completa 72 anos como símbolo de brasilidade

27/09/2019

por: Luciano Filho
Copo americano completa 72 anos como símbolo de brasilidade
Clássico da empresa Nadir Figueiredo, vendida este ano | Foto: Fran Micheli

Em julho deste ano, a mídia econômica divulgou amplamente a venda da gigante brasileira Nadir Figueiredo para um fundo internacional de investimento, o HIG Capital. E este mês, a operação foi totalmente completada. O valor da transação, de R$ 836,27 milhões, levantou especulações sobre o futuro da fábrica de utensílios de vidros, presentes na mesa do brasileiro há 90 anos. 

E, neste cenário, é inevitável não pensar em um dos grandes sucessos da Nadir Figueiredo, transformado em um dos símbolos máximos da cultura brasileira: o copo americano.

Bebida x utensílio

Eles podem ser delicados, espessos, grandes, pequenos, frágeis, mas sempre serão os coadjuvantes perfeitos na hora de comer ou beber. Estamos falando do copo, e no Brasil, somente um entre milhares foi capaz de se destacar tanto e ainda faz parte da mesa dos brasileiros por décadas.

Criado em 1947 pela Nadir Figueiredo, empresa brasileira fabricante de utensílios, o copo americano atingiu status de símbolo nacional pela popularidade que adquiriu tanto em bares, quanto em restaurantes, padarias e em residências. 

João Flávio de Almeida, Designer e Doutor em Ciência, Tecnologia e Sociedade pela UFSCar,  conta que o copo “foi feito para ser o copo multiuso do país, pensado para o nosso mercado, barato e difícil de quebrar, com um design chanfrado que dá a ele maior firmeza”. 

A capacidade tradicional do copo é de 190ml, mas a Nadir Figueiredo também produz em outros tamanhos como os de 40ml, de 300ml e até de 450ml, dando a ele a versatilidade para continuar reinando nas mesas do país.

O original, Nadir Figueiredo | Foto: Fran Micheli

Prêmio e obra de arte

Utilizado para tomar desde café até cachaça, foi eleito o melhor copo para se beber cerveja do Brasil por alguns veículos da mídia. Além disso, é usado como medida padrão de diversas receitas, medida de sabão em pó e o que mais a criatividade permitir. 

Seu desenho único é reconhecido como um dos grandes designs do país, sendo exposto em 2009 no Museu de Arte Moderna (MOMA), de Nova York, como um símbolo do design brasileiro. O copo famoso fez parte da mostra “Destination: Brazil”, com 75 itens que representavam o que o estilo do brasileiro tinha de melhor..

Americano por que?

Se você chegou até aqui, deve estar se perguntando “por quê o nome é copo americano?” Algumas teorias dizem que a razão seria pelas máquinas utilizadas para fabricar o copo, que eram dos Estados Unidos, outras porque Nadir Dias de Figueiredo, então dono da fabricante, tinha sido inspirado pelos modelos de copos americanos.

No entanto, em Minas Gerais ele tem o nome peculiar de “copo lagoinha” e supõe-se que ganhou o apelido por ser muito utilizado na zona boêmia de Belo Horizonte, conhecida como Bairro Lagoinha. 

A marca está presente em diversos países da América como Argentina e Chile, também na Europa como Bélgica e tantos outros lugares no mundo, mas o que podemos afirmar é que o copo americano é 100% brasileiro e tem uma história para ser contada a cada intervalo entre a mesa e a boca de todos que apreciam por ele uma boa bebida. 

E na tentativa de fazer com que o Copo Americano crie mais raízes ainda, a marca de cervejas artesanais Wäls, que é de Belo Horizonte, está organizando um movimento para fazer com que o copo tenha, pelo menos na capital mineira, o nome de "copo lagoinha". A iniciativa da cervejaria é uma forma de homenagear Belo Horizonte dando ao município a honra de ter um de seus símbolos reafirmado e levar o nome para o resto do Brasil e também do mundo. 

Campanha da Wäls para o Copo Lagoinha

Sugestões da casa:

 

Editorial
Você é chato pra comer?

Você é chato pra comer?

Comer apenas alimentos de uma determinada cor. rejeitar vegetais, ter ânsia de vômito ao falar de comida. Quando a aversão a certas comidas vira doença?
06/11/2018
Editorial
Farofa explica: por que a carne está nas alturas?

Farofa explica: por que a carne está nas alturas?

Carnes mais caras, consciência coletiva vegana, cortes mais saborosos. Uma mistura de acontecimentos está mudando a forma de consumo da proteína animal.
02/12/2019
Editorial
Adeus 2019 da consolidação, bem-vindo 2020 dos desafios no setor cervejeiro

Adeus 2019 da consolidação, bem-vindo 2020 dos desafios no setor cervejeiro

Com certeza 2019 foi um ano em que muita coisa aconteceu no mercado cervejeiro e o ano de 2020 chega com muitos desafios. Convidada pelo Guia da cerveja, escrevi alguns tópicos a serem abordados, pensados e discutidos pelo setor.
23/01/2020
Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #3

saiba antes, saiba mais:

artigos

Marcio Beck

Marcio Beck

A cerveja pertence a todos

Bia Amorim

Bia Amorim

A sommelière que habita em mim

Bia Amorim

Bia Amorim

O Bar virtual em tempos de corona

Carlos Braghin

Carlos Braghin

CARTA DE UM QUÍMICO APAIXONADO

Bia Amorim

Bia Amorim

Tomando cerveja sozinha né minha filha?

Camilla Cristini

Camilla Cristini

A comida além da mercadoria: um ode à natureza e à consciência