Nova Iorque: cerveja, comida, música e amor, não necessariamente nessa ordem

Nova Iorque: cerveja, comida, música e amor, não necessariamente nessa ordem

- em Artigos
333
nova iorque edu passarelli farofa magazineNova Iorque. Imagem: Canva

Eu conheci a Ju por causa da comida. Trabalho no ramo há 24 anos e ela, assessora de imprensa especializada em gastronomia, também já está na área há um bom tempo. Primeira paixão em comum. Trabalhando juntos, descobri que ela gosta muito de cerveja, bebida na qual sou especialista. Segunda. Papo vai, papo vem, descubro que a banda predileta dela é o Pearl Jam, que também é a minha. Ai não tinha mais jeito: começamos a namorar. E logo no começo desse namoro descobrimos uma quarta paixão em comum: viajar. 

Então, para gente, não existe melhor lugar no mundo para curtir todas essas paixões juntas do que Nova Iorque! Estivemos na cidade novamente no início de fevereiro. O Eddie Vedder, vocalista do Pearl Jam, tocaria por lá e essa era a desculpa perfeita para mais uma visita.  

Tem uma outra curiosidade sobre nós, gostamos de voltar nos mesmos lugares (Nova Iorque que o diga!). Nossa lista começa com revisitas, como a cervejaria Threes Brewing, nossa predileta por lá, especialmente a unidade de Greenpoint, e também a clássica Brooklyn Brewery.  Na Threes, além de beber a deliciosa Hazy IPA Logical Conclusion, a ideia era se deliciar com o menu da Greenpoint Fish & Lobster Co., que é quem prepara a comida por lá. Já na Brooklyn o lance é provar as novidades que ainda não chegaram no Brasil e garimpar umas raridades. Outro destino cervejeiro que curtimos é a Other Half, que produz cervejas incríveis, especialmente as super lupuladas como XX. 

Mas, não é só de repeteco que a gente vive: desta vez também fomos conhecer a agradável Coney Island Brewery. Sempre que visitamos Nova Iorque buscamos uma nova região para desbravar e dessa vez a escolhida foi essa famosa península localizado ao extremo sul do Brooklyn. Lá também fica a loja número 1 da rede de cachorro-quente Nathan’s, um clássico nova-iorquino. 

É, às vezes acho que a gente é meio geek com gastronomia. Outro ponto alto e inédito da viagem, só aconteceu por que ficamos meses tentando uma reserva no italiano moderninho Misi. Valeu todo o esforço. Além das massas deliciosas, confesso que ainda consigo sentir o sabor do gelato de azeite de oliva na minha boca – inesquecível! 

Voltando para ao tema das bebidas e mais um retorno, fomos beber saquês e fazer comprinhas na Brooklyn Kura. Sou apenas um apreciador de saquês, mas afirmo que esses são os mais surpreendentes que já provei. A Kura fica num complexo chamado Industry City, cheio de restaurantes e mercados orientais, e onde conhecemos mais uma cervejaria, a Big Alice. Além de boas cervejas, eles permitem levar comida, e matei de vontade de comer uns uramakis que havia visto num restaurante ali ao lado.

Para completar o roteiro, teve mais revisita. Fomos a centenária churrascaria Peter Luger, só que dessa vez ao invés de comer o delicioso steak, ícone da casa, resolvemos provar os muito bem falados burgers, servidos apenas no almoço. Merecem a fama que tem e valeu a inovação.  E ainda na linha dos clássicos, também voltamos ao Katz Deli para comer sanduíche de pastrami, em uma rápida passagem por Manhattan, já que o show era por lá. Ah, acabei de perceber que não contei que preferimos o Brooklyn, bairro que achamos mais tranquilo e onde ficam restaurantes e cervejarias que amamos. 

Teve também bagel de salmão no Frakel’s (olha o casal voltando nos mesmos lugares de novo…) e a descoberta da Taqueria Ramirez, que te faz se sentir na Cidade do México. E a prova de que temos saudade de comida é que até nos Mc Donald’s a gente foi. Afinal, o Filet O’ Fish – nosso Mc Fish, ainda existe por lá! Faltou conseguir uma reserva no disputadíssimo Lilia. Mas não ficamos tristes.

Temos mais uma boa desculpa para voltar para Nova Iorque!

Você também pode gostar

Hop Growers of America estará na edição 2022 da Brasil Brau

Além de participação na feira Brasil Brau, a