Frutas secas e a perfeita harmonização com whisky

Frutas secas e a perfeita harmonização com whisky

- em Beber
366

O especialista em whiskies Mauricio Porto, sócio do Caledônia Whisky & Co, e autor do blog O Cão Engarrafado acreditava ser impossível harmonizar whiskies e alimentos. Com o tempo, foi descobrindo uma série de combinações, segundo ele, incríveis. “Algumas são até bem conhecidas, como whiskies enfumaçados e queijos azuis. Famous Grouse Smoky Black é um desses, levemente enfumaçado e super gastronômico. Mas, tem outras menos conhecidas ou exploradas e que eu também acho fantásticas”, diz Porto.

Segundo ele, a harmonização pode ser feita por semelhança ou por contraposição. Na harmonização por semelhança – como se pode deduzir– procuram-se pontos de tangência entre o prato e a bebida. Um prato leve e adocicado, assim, é harmonizado com uma bebida doce e delicada. Já a harmonização por contraponto é o contrário. Busca-se ressaltar as características do prato combinando-o com uma bebida que apresenta as características opostas.

“A harmonização pode ser feita por

semelhança ou por contraposição”

 

“Além disso, é importante entender a intensidade dos elementos.  O whisky não pode ser mais intenso do que o alimento, e nem o contrário, porque senão um irá se sobrepor ao outro. Então, por exemplo, Buffalo Trace é um whisky bem intenso e adocicado, com notas de mel, caramelo e baunilha. Então, o ideal é combinar com algo forte também. Amêndoas vão bem, queijos curados. Um parmesão com mel, por exemplo!”, complementa Maurício

Segundo Porto, whiskies que passam por barris de carvalho europeu – seja ex-vinho ou Jerez – tendem a funcionar bem com frutas secas ou cristalizadas. Então, um Aberlour 14 anos ou um The Macallan Double Cask 12 ficarão ainda mais maravilhosos com uvas passas (sem preconceito, uva passa é ótimo!), ou tâmaras, por exemplo. Damasco seco vai super bem – e essa é esquisita – com Southern Comfort, que é um licor de whisky. O contraponto faz todo sentido.

Por fim, ele informa que whiskies mais sofisticados e complexos andam bem com oleaginosas. “Aqui, a regra é experimentar. Eu sou apaixonado pelo Royal Salute Malts Blend, que é o novo blended malt da Royal Salute – mais intenso, adocicado e frutado. Ele fica ótimo com nozes, amêndoas, castanhas e avelãs. Pode até colocar um melzinho. Os The Macallan Triple Cask – que utilizam barris de carvalho europeu de ex-bourbon – e os The Glenlivet (especialmente o Founder’s) também vão bem com elas. É uma das notas-chave destes barris, especialmente os de boa qualidade”, conclui.

 

Você também pode gostar

Segunda temporada da série “Harmonizando com cerveja” chega ao canal Travel Box Brazil

Uma das bebidas mais apreciadas e consumidas do