Você toma chá junto com a comida? Deveria.

Você toma chá junto com a comida? Deveria.

- em Artigos
Salada de bifum que eu amo fazer: cenoura, repolho, abobrinha, amendoim e molho de shoyu, limão e gengibre. Combina com matchá! | Foto: Fran Micheli

Dicas para você começar a fazer harmonização com chá mesmo achando que ele não combina com comida. 

No Brasil, o chá e todas as infusões ainda são associados aos seus potenciais efeitos terapêuticos. É o chazinho da vovó pra quando vem a gripe, é o chá dos namastês para os momentos de pausa e relaxamento, é o chá para dormir … ou seja, o coitado sempre tem uma funcionalidade única para a saúde. Mas, e para a gastronomia? Como anda essa coisa de harmonização com chá?

Tirando os japoneses que já têm em sua cultura o hábito de comer bebendo chá (mega quente, por sinal), ainda é uma novidade a harmonização com chás em comparação a outras bebidas como a cerveja, o vinho, a cachaça e até o café. Mas, fica aqui minha sugestão para começar a compreender o chá como um excelente parceiro para suas refeições. 

Burrata, tomatinhos e chá verde | Foto: Fran Micheli

8 sugestões de harmonização com chá

Quando feito na infusão longa a frio, o chá (seja ele verde, preto, oolong, branco, etc) libera menos taninos e muito mais sabor e notas aromáticas. Isso é um convite a sentir sua complexidade e levá-lo para conversar com os alimentos. Gelados na medida certa, ficam incrivelmente propensos a uma boa harmonização!

 Olha só minhas sugestões para você começar a explorar esse universo em plena expansão e fazer a sua harmonização com chá:

Flan feito com Oolong pelo Cláudio, da Escola de Chá do Embahu | Foto: Fran Micheli
  • Chá verde com jasmim (jasmine pearls): sobremesas de frutas ou com chocolate branco, carnes brancas e saladas de folhas com frutas.
  • Darjeeling (chá preto):  abóboras assadas, legumes assados, peixes, cebola caramelizado
  • Lapsan Souchong (chá preto defumado):  Carne de panela, churrasco, embutidos, picadinho de carne, estrogonofe, pratos com bacon.
  • Chá verde puro: bruschettas de queijo brie, burratas, saladas verdes, pad thai, legumes cozidos, chocolates 70% ou mais, panetone.
  • Chai (mistura de chá preto com especiarias como cardamomo, canela, cravo, pimenta e gengibre): pratos muito condimentados como curries
  • Bai Mu Dan (chá branco chinês): sobremesas delicadas com creme branco, pavlova, torta de limão, merengues.
  • Oolongs: pizzas de queijo, flans, pudins, sobremesas carameladas em geral, quiches vegetarianos.
  • Matchá: Salada de bifum, pratos vegetarianos.

Na minha opinião, os oolongs combinam com tudo e não aplico muita regra não. Além de terem uma gama imensa de tipos que variam com o grau de oxidação e regiões produtoras, os oolongs tem um espírito de festa, adocicado e alegre que pode deixar qualquer refeição muito prazerosa. Dá para fazer blends de oolongs com casca de tangerina, laranja, drinks alcoólicos e não alcoólicos e o que mais a sua criatividade permitir.

Fica frio, a questão é se acostumar

Aquela regrinha básica das cervejas especiais também vale para o chá: se estiver muuuuito gelado, as papilas gustativas se “anestesiam” e você não sente quase nada do sabor. Mas, se deixar a temperatura subir um pouquinho, vai perceber que as notas vão se revelando aos poucos. Então, o chá gelado não pode ser estupidamente gelado, beleza? Se optar pela versão quente, a mesma coisa: deixe amornar. 

E, se for importante pra você: quando não adicionados de açúcar, os chás puros não têm caloria. Então, é uma ótima opção para quem quer abandonar o hábito de beber refrigerantes ou sucos durante a refeição. Sem hipocrisia: é difícil fazer essa transição quando se já é entregue ao vício, então recomendo que, primeiro, você tente provar os chás e se acostumar com eles em algum momento do seu dia.

Panetone de frutas e chá verde, a dupla perfeita | Foto: Fran Micheli

Enfiar a bebida do nada no seu almoço no lugar da coquinha gelada pode gerar distanciamento e aquele ranço de quando provamos algo muito diferente no momento errado.

O chá premium é uma imensa oportunidade de treinar sua evolução sensorial, indo muito além das propriedades medicinais. Afinal, uma bebida de 5 mil anos não está aí até hoje à toa, né?

Você também pode gostar

Cerimônia do chá chinesa e japonesa: entenda as diferenças na ritualística

Se você já é um pouco mais íntimo